Meu Senhor e Meu Deus…

Essas são as palavras mais cheias de , de adoração e de autenticidade de São Tomé, memória que é relembrada hoje pela Santa Igreja Católica. A frase do título está no evangelho de São João capítulo 20, versículo 28, se trata de uma resposta que São Tomé dá para uma ordem de Jesus, ordem que diz pra que ele tocasse nas chagas do próprio Senhor, porém que ele viesse a crer e não mais duvidasse da ressurreição triunfante de Cristo.

Com o passar dos tempos a figura de São Tomé se tornou uma fuga, uma espécie de muleta pra que todos, inclusive eu e você, quando duvidamos de algo, quando não confiamos em algo e já vamos logo cravando:

“eu tô igual a são tomé” (em letras minúsculas mesmo, pois dentro de nossa limitação e ignorância jamais podemos fazer tal comparação).

São Tomé com seu exemplo de santidade e incessante busca de estar com Jesus nos dá lições incríveis, que por desleixo não notamos, e por nossa falta de fé, confiança, e crença nas pessoas não damos o valor merecido. O legado de São Tomé é muito além disso, sua vida e conduta nos mostram um desejo, uma vontade enorme de estar com Jesus, de descobrir Jesus, tanto é que em São João 14, 6, Jesus nos diz que ele é o caminho, a verdade e a vida, passagem essa muito conhecida, o que muitos não conhecem é que, tal versículo, é uma tremenda resposta de Nosso Senhor para uma indagação de São Tomé, que está no versículo 5 do capítulo 14 do mesmo evangelho, e ele diz: Não sabemos para onde vais Senhor, como podemos conhecer o caminho?

A partir desse ponto começamos a entender melhor o título de nosso texto: Meu Senhor e Meu Deus…, são essas pequenas questões que São Tomé faz que dão ele a base suficiente pra cravar essa frase que é uma oração, que é um ato de fé, que é uma adoração fervorosa. A vida de São Tomé não é uma dúvida, uma desconfiança de tudo todos, muito pelo contrário, ele busca estar dentro, junto, ele quer permanecer, seja no anseio de ver e tocar as chagas, ou na pergunta sobre o caminho.

São Tomé não é um questionador demasiado ou um desconfiado até mesmo da própria sombra. Façamos um exercício rápido: pense em alguém próximo a você, que você suficientemente conheça, é que tenha um dom extraordinário, caso essa pessoa se mude de país, e por uma questão de destino uma segunda pessoa veja essa primeira pessoa, que possui esse dom, exercer o dom e fazer o extraordinário e lhe testemunhar você vai acreditar, pois conhece bem a capacidade e dom da primeira pessoa. Assim era São Tomé, ele conhecia JESUS Cristo, ele conviveu com o Cristo, ele foi ensinado por Jesus, ele viu os milagres, os prodígios, tanto que quando Jesus vai até Lázaro, passagem do capítulo 11 do evangelho de São João, São Tomé é um motivador dos apóstolos, e crava pra que possam ir com Jesus e morrer com Lázaro, isso só faz quem tem convicção, decisão e coragem por uma causa. São Tomé ensina que nós todos devemos ter iniciativas como as dele, não essa de desconfiança que o mundo nos prega, mas a da vontade, da decisão, da convicção de querer a todo tempo descobrir Jesus, estar com Jesus e caminhar com Jesus, assim no final das contas poderemos nos derramar em fé, em adoração e em oração, não somente com palavras sem sentido, ou apenas admirados, emocionados, mas convictos e decididos pelo Céu dizendo: “Meu Senhor e Meu Deus.”